sábado, 31 de julho de 2010

Segundo

Nada além do vazio. É mais ou menos assim que eu definiria o mal terminado, o malfeito, o mal acabado que mal acabou de invadir e já entranhou todos os órgãos abaixo da epiderme deixando espaço suficiente para montanhas dançarem junto ao vento e furacões perderem-se em suas próprias distorções. Um terreno tão grande que aos olhos da ciência faz-se impossível em qualquer ser vivo, ser dentro de mim, ser tão imenso e ao mesmo tempo tão inútil pelo mesmo motivo que faz dele extenso. A parte mais interessante desse vácuo, porém, não é sua dimensão, mas a sua eternidade. Eu que temia o fim, hoje temo o momento eterno, pois esse sim é cruel, é aquele que fica no ar, distante do alcance de qualquer membro seu e até mesmo da sua imaginação e ás vezes quando se aproxima dos seus sonhos faz mais estrago do que fora do seu limite racional. É cruelmente egoísta e não deixa sobras, fragilizando o que até então estava tornando-se forte. Além do vazio, traz o eterno desconhecimento do que poderia ser, do que não poderia acontecer, restando a nós, a mim, apenas a criatividade machucada pra recriar algo pelo avesso, a racionalidade completamente cética e desiludida que pede morte ao que aconteceu para esquecer o que não acontecerá. Sobram então as sobras de respostas mal ditas, malditas horas que não servem para mudar o sentido da passagem do tempo. E nesse passar mórbido espera-se a chegada de um futuro para dizer se o eterno será mantido ou o movimento externo trará respostas que virão tarde demais para serem influentes, mas alimentarão a vontade do fim. Confortavelmente acabado.

3 comentários:

Italo Stauffenberg disse...

"Sobram então as sobras de respostas mal ditas, malditas horas que não servem para mudar o sentido da passagem do tempo. E nesse passar mórbido espera-se a chegada de um futuro para dizer se o eterno será mantido ou o movimento externo trará respostas que virão tarde demais para serem influentes, mas alimentarão a vontade do fim."

me fascino com o que tu escreves. Tu é muito boa nisso! Parabéns.

Um abraço.

Http://manuscritoperdido.blogspot.com

alencar, gabriela disse...

Muito bonito, mesmo. Me identifiquei mais uma vez (=

Amandab. disse...

da raiva de ler teus textos, cada vez mais eu amo e amo e me indentifico com o que tu escreves amiga

Postar um comentário

 
;